Tempestades podem custar uma fortuna e as alterações climáticas estão a piorá-las!

Tempestades de “rios atmosféricos” podem custar até mil milhões de dólares em prejuízos. As alterações climáticas estão a piorá-las cada vez mais.

Peça às pessoas para dizerem qual é o maior rio do mundo, e a maioria provavelmente vai dizer que é o Amazonas, o Nilo ou o Mississippi. Na realidade, alguns dos maiores rios da Terra estão no céu — e podem produzir tempestades poderosas, como as que agora inundam o norte da Califórnia.

Os rios atmosféricos são faixas longas e estreitas de humidade na atmosfera que se estendem desde os trópicos até latitudes mais altas. Esses rios no céu podem transportar 15 vezes o volume do rio Mississippi.

Quando essa humidade atinge a costa e move-se para o interior, sobe pelas montanhas, gerando chuva e neve. Muitos ocidentais, fustigados pelos incêndios, acolhem esses dilúvios, mas os rios atmosféricos podem desencadear outros desastres, como inundações extremas e fluxos de detritos.

Nos últimos 20 anos, à medida que as redes de observação melhoraram, os cientistas aprenderam mais sobre esses importantes fenómenos climáticos.

Os rios atmosféricos ocorrem globalmente, afetando as costas oeste das principais massas de terra do mundo, incluindo Portugal, Europa Ocidental, Chile e África do Sul. As chamadas tempestades “Pineapple Express”, que transportam humidade do Havai para a Costa Oeste dos Estados Unidos, são apenas um dos seus muitos sabores.

Recentemente, uma equipa de investigadores do Scripps Institution of Oceanography e do Army Corps of Engineers fez a primeira análise sistemática de danos de rios atmosféricos devido a inundações extremas.

Os investigadores descobriram que, embora muitos desses eventos sejam benignos, os maiores causam a maior parte dos danos causados pelas cheias no oeste dos EUA. E prevê-se que os rios atmosféricos ficarão mais longos, mais húmidos e mais largos num clima mais quente.

Rios no céu

A 27 de fevereiro de 2019, um rio atmosférico impulsionou uma nuvem de vapor de água de 560 quilómetros de largura e 2.500 quilómetros de comprimento através do céu desde o Oceano Pacífico Norte tropical até à costa do norte da Califórnia.

Ao norte da Baía de São Francisco, na famosa região vinícola de Sonoma County, a tempestade despejou mais de 55 centímetros de chuva. Os danos foram estimados em mais de 100 milhões de dólares.

Eventos como este chamaram a atenção nos últimos anos, mas os rios atmosféricos não são novos. Eles vaguearam pelo céu durante milhões de anos, transportando vapor de água do equador em direção aos polos.

Na década de 1960, os meteorologistas cunharam a frase “Pineapple Express” para descrever rastos de tempestades que se originaram perto do Havai e transportaram vapor de água quente para a costa da América do Norte.

No final da década de 1990, os cientistas descobriram que mais de 90% da humidade do mundo dos trópicos e subtrópicos era transportada para latitudes mais altas por sistemas semelhantes, que chamaram de “rios atmosféricos”.

Úteis e prejudiciais

Os investigadores já sabiam há algum tempo que cheias causadas por rios atmosféricos podem custar muito dinheiro, mas até a este recente estudo, ninguém tinha quantificado esses danos.

Os autores usaram um catálogo de eventos fluviais atmosféricos compilado pelo Scripps Institution of Oceanography e compararam-no a 40 anos de registos de seguro contra inundações e 20 anos de estimativas de danos do Serviço Meteorológico Nacional.

Os investigadores descobriram que os rios atmosféricos causaram uma média anual de 1,1 mil milhões de dólares em danos por inundações no oeste dos EUA. Mais de 80% de todos os danos causados por inundações no oeste foram associados a rios atmosféricos. Em algumas áreas, como no litoral do norte da Califórnia, esses sistemas causaram mais de 99% dos danos.

Os dados mostraram que em média, num ano, cerca de 40 rios atmosféricos atingiram a costa do Pacífico nalgum lugar entre a Califórnia e a Colúmbia Britânica. A maioria desses eventos foi benigna: cerca de metade não causou perdas, e essas tempestades reabasteceram o abastecimento de água da região.

Mas houve várias exceções. Os autores usaram uma escala de classificação atmosférica de rios recentemente desenvolvida que classifica as tempestades de 1 a 5, semelhante a sistemas para categorizar furacões e tornados. Havia uma ligação clara entre essas categorias e os danos observados.

Tempestades atmosféricas de categoria 1 (AR1) e AR2 causaram danos estimados de 1 milhão de dólares. As tempestades AR4 e AR5 causaram danos medianos na casa das dezenas e centenas de milhões de dólares, respetivamente. Os AR4s e AR5s mais prejudiciais geraram impactos de mais de 1 mil milhão de dólares por tempestade. Estas tempestades ocorreram a cada três ou quatro anos.

 

Saiba mais: https://zap.aeiou.pt/tempestades-rios-atmosfericos-fortuna-440251