Arquivo para Tag: garantias

Quais as seguradoras que mais ganharam com crescimento de 70% no ramo Vida

As companhias que convenceram bancos a convencerem os clientes a abdicar de garantia de rendimento e de capital são as vencedoras do ramo Vida em 2021. Veja as que mais venderam.

falta de alternativas de investimento rentáveis para as poupanças dos portugueses levou a uma mudança de espírito dos aforradores. Se antes estavam habituados a produtos financeiros que garantiam rendimento e, com certeza, o capital investido, durante o ano passado começaram a aceitar a tomada de risco para conquistar algum rendimento. Os produtos unit-linked, ligados a fundos de investimento e com rendimento indexado ao valor dos seus ativos, quase quadruplicam sob o formato PPR e mais que duplicaram em todos os outros tipos de seguros.

Fonte: APS; Tratamento de informação: ECOseguros.

O relatório Produção de Seguro Direto 2021, compilado pela Associação Portuguesa de Seguradores (APS) e agora divulgado, revela forte crescimento para quase todas as 26 seguradoras que exploraram o ramo Vida em 2021. Os seguros não PPR ligados a fundos de investimento cresceram 136% e são hoje quase metade do negócio do ramo Vida. Os PPR unit-linked subiram vendas 1,7 vezes e continuam como o terceiro tipo de produto Vida com maiores vendas, representando 15% do mercado Vida. Mais moderada foi a subida dos seguros mais tradicionais, com risco do lado das seguradoras. Com formato PPR cresceram 2% e os de puro risco subiram 30%.

Do lado das seguradoras foi uma questão de promover produtos adequados à nova procura, até por que os produtos unit-linked, com todo ou grande parte do risco do lado dos subscritores, alivia a mobilização de capital próprio do lado das seguradoras e com isso melhora a sua rentabilidade e possibilidade de crescimento de negócio.

Para que os produtos Vida se vendessem com sucesso foi preciso convencer os bancos e estes só se convencem proporcionando-lhes rendimentos tão ou mais interessantes que os obtidos pelos seus próprios produtos financeiros. Como afirma uma administradora de uma seguradora Vida importante no mercado é difícil a mediação descansar clientes quando se oferecessem produtos sem garantia sequer de capital. Para os bancos, diz a mesma fonte, é mais fácil consegui-lo.

De facto, em outro relatório da APS, constata-se que os bancos são responsáveis por 78% das vendas do ramo Vida, sendo os restantes da responsabilidade de todos os outros canais. Em 2020, esse peso era de 74% para os bancos, foi este canal que crescendo 75% contribuiu decisivamente para o crescimento geral de 70% do ramo Vida.

Fonte: APS; Tratamento de informação: ECOseguros.

As seguradoras com forte ligação bancassurance aproveitaram esta onda favorável. Entre as cinco primeiras de cada um dos cinco tipos de produtos de ramo Vida verifica-se que a Fidelidade conta como apoio da Caixa Geral de Depósitos, do Banco CTT e do EuroBic. A Ocidental, do Grupo Ageas Portugal, com o Millennium bcp. A Lusitania com o Montepio. A BPI Vida e Pensões com a sua rede bancária. A GamaLife com o Novo Banco. A Santander Totta Vida e a Aegon Santander com os clientes do Banco Santander. A CA Vida com a rede comercial do Crédito Agrícola. A Zurich tem produtos unit-linked dedicados ao Banco CTT, ao ABANCA e ao Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA).

Das seguradoras que estão nos 5 lugares de topo apenas a Real Vida faz o seu percurso paralelo a todos os concorrentes. Tem uma rede de distribuição sem canal bancário, cresceu essencialmente em produtos não ligados a fundos de investimento e ainda assim conseguiu, em 2021, uma subida de 75% nos prémios emitidos, tornando-se a 10ª maior operadora no ramo Vida.

 

Fonte: https://eco.sapo.pt/2022/02/03/quais-as-seguradoras-que-mais-ganharam-com-crescimento-de-70-no-ramo-vida/

APS aconselha proprietários a verificarem coberturas dos imóveis habitacionais e os capitais seguros

A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) disponibiliza uma ferramenta digital gratuita para ajudar a calcular o capital do seguro de incêndio e elementos da natureza e de multirriscos dos imóveis habitacionais.

 

A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) disponibiliza uma ferramenta digital gratuita para ajudar a calcular o capital do seguro de incêndio e elementos da natureza e de multirriscos dos imóveis habitacionais.

No arranque do novo ano, “a APS aconselha  os consumidores a revisitarem os seus contratos de seguro, verificando as coberturas contratadas – nomeadamente as relacionadas com fenómenos da natureza – e atualizando os capitais seguros”, refere a entidade liderada por José Galamba.

No caso concreto das apólices de seguros de Incêndio e Elementos da Natureza e de Multirriscos de habitação, a APS recorda que o SCRIM – Simulador para o Cálculo de Custo de Reconstrução de Imóveis se encontra disponível, de forma digital e gratuita  para apoiar os tomadores de seguro na determinação do capital a segurar.

“Transparente e de fácil utilização, o SCRIM está concebido para ajudar o tomador do seguro a realizar, a partir de um nível de informação relativamente simples, a projeção do valor de reconstrução do imóvel, isto é, o valor do capital seguro”, diz a APS.

Com base num conjunto de informações a introduzir pelo utilizador – área, qualidade, localização, arquitetura e outros elementos caracterizadores do imóvel – é calculado, no momento, um valor de referência do custo de reconstrução da habitação, ou seja, o valor que custaria erguer de raiz, depois de totalmente destruído, um imóvel ou fração com um padrão equivalente.

O valor obtido poderá e deverá ser sempre objeto de ajustamento por parte do tomador do seguro no caso de a fração ou imóvel apresentar características específicas face a uma habitação padrão equivalente.

A APS destaca que os resultados obtidos através deste simulador são meramente indicativos. Os tomadores não estão, por isso, obrigados a aceitá-los, cabendo-lhes sempre a responsabilidade de indicar o valor, em concreto, pelo qual pretendem segurar o seu imóvel.

Disponível através do site da APS, este simulador conta, desde o seu lançamento oficial, no dia 15 de março de 2021, com cerca de 100 mil visitas.

O SCRIM foi desenvolvido com base numa fundamentação metodológica produzida de forma totalmente independente pela FUNDEC, Associação para a Formação e o Desenvolvimento em Engenharia Civil e Arquitetura, ligada ao Instituto Superior Técnico.

 

Fonte: https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/aps-aconselha-proprietarios-a-verificarem-coberturas-dos-imoveis-habitacionais-e-os-capitais-seguros-827267